top of page
  • neereis

Hit the Spot: literalmente, eles acertaram o ponto!


E se eu disser que um drama +18 se tornou um healing drama?


Hit The Spot (Viki), também chamado por Fanta G Spot/Fantasy Spot é um drama de 08 episódios curtinhos (entre 30 e 35 minutos) que eu não sabia que precisava até assistir. Quando vi o trailer e a classificação +18, disse que passaria longe... mas ainda bem que mudei de ideia após ver um vídeo curtinho (mas igualmente excelente!) sobre as protagonistas e é por isso que este texto existe.


Antes de mais nada, precisamos falar sobre ele: o cartão de visitas do drama. A cena de abertura é um tanto quanto... chocante, por assim dizer. E felizmente o drama não é dessa forma na maior parte dos seus episódios porque, ao avançar na história, tudo o que ganhamos é uma belíssima história sobre amizade feminina, autodescoberta, empoderamento sexual feminino e, principalmente, romance. E que romance!! O casal secundário deu alguns dos beijos mais lindos que já vi na tela (infelizmente, não achei gifs)! A química dos atores, dos casais, me deixava sorrindo para as paredes e com a sensação de que eu estava me apaixonando junto com eles. Doido, né? Também achei. Mas não estou reclamando!

E o enredo era bem simples: duas mulheres adultas, na casa dos 30 anos, que são melhores amigas, trabalham juntas na Play Books (uma fornecedora de produtos centrados em sexo e romance) e comandam um podcast sobre a sexualidade feminina. Como cada episódio era, metalinguisticamente, um episódio do podcast de mesmo nome do drama, a história apresentada pela "ouvinte" ditava o tom da trama, que costurava um texto ótimo, necessário e muito responsável às vivências do quarteto protagonista. E acompanhar essas duas mulheres enquanto elas descobriam algo novo sobre si mesmas e se apaixonavam por pessoas com quem podiam compartilhar seu verdadeiro eu sem se sentirem constrangidas ou envergonhadas por serem como/quem são foi um verdadeiro presente!


Heejae (Hani) está num relacionamento unilateral há 05 anos e não é preciso ter vivido algo parecido para ter empatia por ela ou querer dar-lhe um abraço porque a dor que ela sente é latente. Mina (Bae Woohee) está enterrando seus traumas românticos em sexo casual com múltiplos parceiros e o ato de ela ser uma embaixadora da liberdade sexual é ao mesmo tempo triste, pelo fato disso encobrir suas cicatrizes, mas também maravilhoso porque mostra a segurança e a positividade com que ela age nesse sentido. Quanto aos homens... *grande suspiro* sem red flags por aqui, graças a Deus!

"Eu tive de dizer adeus a ele e então dizer adeus ao meu velho eu, quem costumava estar apaixonado por ele."


Sendo mulher, posso afirmar que a história é completamente relacionável e muitas pessoas podem se ver nas entrelinhas em algumas das situações ilustradas: desde as frustrações da Heejae sobre seu namorado às tentativas de gaslight dele para que ela acreditasse que a insatisfação sexual era culpa puramente dela; a (divertida!) busca da protagonista por um orgasmo; a espera paciente do protagonista pelo amor verdadeiro; o medo de relacionamento; o fato de nunca ter estado num relacionamento; a naturalização do sexo casual ou do desejo de não estar num relacionamento. E eu penso que tudo isso só foi possível porque é uma história centrada, estrelada e dirigida por mulheres.


E esse, para mim, foi o maior acerto. O drama não ataca os homens, como também não envergonha as mulheres porque, graças a Deus, ali não existem tabus; sim, diálogo (sobre tudo). O texto aborda a sexualidade nos relacionamentos de forma direta e aberta e, à gente, são mostrados os dois lados do sentir e do querer. E aqui quero dedicar um momento para falar sobre o maravilhoso "female gaze". As cenas proporcionam momento completamente intoxicantes!! A última cena do episódio 04 é uma obra de arte porque não era uma cena de sexo, era um manifesto sobre intimidade que muda vidas (literalmente, você vai entender quando assistir!) Tudo é pensado pelo ponto de vista da mulher e visto pelos olhos dela, algo (ainda) tão negligenciado nas produções cinematográficas (uma pena).

Quanto à evolução das personagens, eu não poderia estar mais satisfeita! A relação entre Heejae e Inchan (Park Sunho) é um primor: quando ela diz que se sente confortável ao lado dele, mais do que a liberdade de ser desajeitada ou tagarela, ela quis celebrar a profundidade da intimidade que, diariamente, adquiria ao lado dele; da segurança em si mesma que ganhava porque, junto a ele, havia compreensão e estabilidade. E foi lindo perceber como o relacionamento deles foi se desenrolando enquanto ele se apaixonava por ela; enquanto ela se percebia alguém sozinha até estar pronta para ser par dele.


Mas preciso dizer que meu casal preferido é aquele formado pela Mina e o Woojae (Choi Kwangrok) porque QUANTAS CAMADAS! Como não amar um casal que começou com uma batida no trânsito, passou por um contrato para sexo casual e uma cirurgia de hemorroidas e agora consiste em troca de emoji apaixonado e muita boiolice? O passado doloroso dela trouxe traumas que a fazem rejeitar intimidade; que a fazem preferir morrer a abrir o coração novamente. Para ele, relacionamentos são natimortos e, portanto, é melhor não os ter. E a relação deles mostra que, por vezes, a equação entre sexo e amor é um equilíbrio bastante confuso porque a balança sempre pende para aquilo que é eleito como prioridade. Eu ainda não consigo superar a devoção que ele, a cada capítulo, demonstra ter por ela, ainda que sem perceber (principalmente porque não percebe). Todo o pano de fundo sobre eles se apaixonando um pelo outro é, verdadeiramente, apaixonante (e eu saí namorando o namoro dos dois!).

"Oral é uma obrigação pra mim. / Pra mim, é anal."


Não posso deixar de falar o quanto o drama, também, é engraçado! Me peguei gargalhando em muitos momentos, mas o ápice da comédia para mim foi quando a Mina foi fazer a cirurgia de hemorroidas e acabou descobrindo que seu cirurgião era ninguém menos que o flerte em potencial e futuro namorado: imaginar a cara dela nesse momento ainda me faz rir! Preciso dizer, por fim, que nunca imaginei assistir a um drama que mencionasse sexo anal de forma tão... natural. Acho que o texto é tão fluido que não traz vergonha, sabe? E penso que essa é a confirmação da proposta do drama: discutir relacionamentos e sexualidade como algo natural e positivo.


Com diálogos realistas, ótimas atuações, beijos lindos, OST gostosa (TOCA HOPPIPOLLA!! PELO AMOR DE DEUS, SABE!!) e situações relacionáveis, Hit the Spot é um drama divertido de acompanhar e que deixa com gostinho de mais. O final é redondinho e deixou uma questão no ar: será que virão novos episódios? Se sim, eu estarei na primeira fila!


PS.: antes de finalizar, um recadinho das divas

"Compre um brinquedinho pra você, isso é o capitalismo no seu melhor."

2 Yorum


Misafir
19 Oca 2023

Assisti três minutos. Parei..

Agora já quero ver.

Tava precisando!

Beğen
neereis
neereis
24 Oca 2023
Şu kişiye cevap veriliyor:

O começo é... sem comentários, né? Mas se abstrair essa parte (e alguns exageros nas introduções dos seguintes), super recomendo!!

Beğen

Se inscreva para não perder as novidades!

Obrigada por se inscrever!

ÚLTIMAS POSTAGENS

BUSCA DE POSTAGEM

*Se os gifs retirados do Tumblr não aparecerem corretamente, basta atualizar a página*

CATEGORIAS

TAGS

ARQUIVO DE POSTAGENS

bottom of page